Oferta dos portes de envio em compras iguais ou superiores a 35€!*

6 dicas para evitares o desperdício alimentar em tua casa

Sabes que todos os anos cerca de um terço dos alimentos produzidos para consumo humano são desperdiçados ou perdidos a nível global? Na União Europeia, por exemplo, são desperdiçadas cerca de 88 milhões de toneladas de resíduos alimentares por ano que têm um custo de cerca de 143 biliões de euros e nos Estados Unidos da América 40% dos seus alimentos são desperdiçados.

É verdade, o desperdício alimentar é um problema atual que tem sido alvo de atenção por parte de organizações, governos e de várias pessoas que defendem uma vida com menos desperdício e com mais saúde no nosso planeta. Mas o que é o desperdício alimentar? Quais as suas consequências? De que forma o podemos diminuir e até mesmo evitar por completo? Fica a saber a resposta a todas estás questões neste artigo.

O que é o desperdício alimentar?

O conceito de desperdício alimentar é considerado impreciso pois pode ser difícil de distinguir. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a geração de resíduos alimentares pode diferenciar-se entre a perda de comida e o desperdício da mesma. Mas qual é a diferente entre ambas?

  • Perda de alimentos: acontece quando os alimentos são produzidos para consumo humano mas não são comidos pelas pessoas pois perdem-se em etapas de produção como é o caso da colheita, armazenamento ou transporte. Por exemplo, pode ser causada quando existem ineficiências ao longo da cadeia de abastecimento como, por exemplo, infraestruturas e tecnologias não adequadas ou falta de acesso a mercados.
  • Desperdício de alimentos: acontece quando os alimentos são destinados ao consumo humano mas acabam por ser descartados ou deixados em situações nas quais se estragam pelos consumidores e estabelecimentos de consumo. Por exemplo, este desperdício pode acontecer quando um produto não cumpre certos critérios estéticos para o consumidor ou vendedor. Na União Europeia, a legislação que rege o tamanho e a forma de frutas e vegetais deixou de existir em 2009.

Onde existe a perda e o desperdício alimentar?

De acordo com a Foodprint, projeto da GRACE Communications Foundation que é uma entidade que desenvolve soluções para os problemas relacionados com alimentos, o meio ambiente e a saúde pública em conjunto com outras organizações e universidades nos Estados Unidos da América, a perda e desperdícios alimentares têm várias origens.

Perda de alimentos: pode acontecer em vários pontos da cadeia alimentar, por exemplo, nas quintas, barcos de pesca, em fábricas e em redes de transporte e distribuição.

Desperdício de alimentos: é passível de existir em empresas de retalho, restaurantes, instituições e nas casas das pessoas.

Perda e desperdício alimentar no mundo

Existem diferenças entre os contextos em que ocorrem as perdas e os desperdícios de alimentos. Isto é, notam-se diferenças ao longo das fases da cadeia de fornecimento de alimentos nos países desenvolvidos e nos em desenvolvimento.

Segundo a FAO, a perda de alimentos é tão alta nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, embora as fases em que existe essa perda sejam diferentes (ver imagem 1). Já o desperdício de alimentos, acontece maioritariamente nos países desenvolvidos.

Gráfico que demonstra a perda e desperdício de alimentos nas etapas da cadeia de fornecimento de alimentos em países desenvolvidos e em desenvolvimento

Imagem 1: Perda e desperdício de alimentos nas etapas da cadeia de fornecimento de alimentos em países desenvolvidos e em desenvolvimento

Fonte: http://www.fao.org/3/CA1397EN/ca1397en.pdf

Mas… e quais as suas consequências destes desperdícios alimentares?

Este problema atual, de acordo com a FAO, tem várias consequências negativas para o mundo a vários níveis: ético e social, ambiental e económico.

  • Este desperdício de comida contrasta, de um modo claro, com uma realidade que também existe em várias famílias: a privação de alimentos. A Comissão Europeia refere que cerca de 33 milhões de pessoas na União Europeia não podem pagar por uma refeição a cada dois dias;
  • Ao nível económico o problema pode ser duplo: o facto de haver um crescimento populacional prevê que a procura será maior que a oferta, originando o aumento de preços dos produtos e à desigualdade de compra entre as pessoas. Esta previsão faz com que haja uma maior produção, originando um sistema alimentar insustentável;
  • Ao nível ambiental a produção de alimentos é uma das principais causas das emissões de gases com efeito de estufa desde a sua produção através de agricultura industrializada, passando pela comercialização e transporte e terminando na colocação em aterros onde fica a apodrecer. Segundo a Comissão Europeia, o desperdício de alimentos gera cerca de 8% destas emissões a nível global. Para além disto, existe um impacto nos recursos naturais na produção de alimentos como é o caso da água, necessária para a irrigação, do solo, essencial para a plantação, e dos combustíveis que permitem o transporte.

No seguinte gráfico podemos verificar que a alimentação é responsável por 26% das emissões de gases com efeito de estufa a nível global. A agricultura usa cerca de 70% da água para a produção e causa 78% da poluição dos oceanos e da água doce.

Gráfico que retrata os impactos ambientais da alimentação e da agricultura

Fonte: https://ourworldindata.org/environmental-impacts-of-food

Como podes reduzir ou eliminar por completo o desperdício na tua vida? Temos 6 dicas!

Depois de veres todos estes dados acreditamos que ficaste com ainda mais vontade de eliminar o desperdício alimentar da tua vida. Por isso, damos-te algumas dicas para conseguires!

Planeia as tuas refeições

Podes fazer uma lista semanal de refeições para que consigas ter uma maior noção dos produtos que vais precisar para cozinhar. Anota também as quantidades necessárias de cada produto de acordo com o número de refeições que vais fazer (por exemplo: couve - 2 jantares).

Não te esqueças de verificar o que já tens em casa antes de ires às compras. Assim, quando fores a uma mercearia ou supermercado compras apenas o que realmente vais precisar (uma dica importante: comprar a granel), poupando dinheiro e tendo alimentos frescos na tua alimentação diária. E lembra-te: é bom comprar legumes e frutas feias! 😊

Para quem não tem ideias para planear refeições, a Catarina Barreiros dá uma ajuda e elaborou o Excel do Zero: uma ferramenta de planeamento de compras para ajudar a reduzir o desperdício alimentar.

Repara na validade

Alguns alimentos, pela sua composição, podem estragar-se mais facilmente daí ser importante ter em conta a validade para perceberes a longevidade do produto que vais comprar.

Em casa, durante a arrumação, também deves colocar os produtos cujo prazo de validade termina mais cedo à vista para que sejam usados primeiro que os restantes.

Conservar sim!

A conservação depende de cada alimento e, por isso, a Catarina Barreiros mostra o que podemos fazer com vários alimentos: tomate, salsa e coentros, pimento, espinafres, couves, cenoura, cogumelos, alho francês, alface, bróculos e couve-flor, ovos, leite e queijo, melão e melancia, banana, maçã e pêra, frutos vermelhos, cebola, batata, alho e abóbora.

Algumas frutas e os legumes devem estar em locais frescos, nos devidos compartimentos, para que não se estraguem tão facilmente. Algumas frutas, como é o caso da banana e da maçã, libertam etileno – um gás responsável pelo seu amadurecimento - pelo que é importante separá-las dos restantes produtos.

Economiza mais!

Com as sobras de algumas refeições ou alimentos podes inventar e criar um novo prato favorito! Se for seguro e saudável podes ainda usar as partes de alguns alimentos que não comes (como é o caso das cascas de legumes) para fazer caldo de legumes. Para além disto, existem várias formas de reaproveitar alimentos:

Imagem que indica como aproveitar vários alimentos

Fonte: https://do-zero.pt/2019/09/conservacao-de-alimentos/

Quando vais a um restaurante deixas comida no prato? Se sim, leva para casa e come depois! Assim, evitas também o desperdício nestes estabelecimentos.

Contra o desperdício alimentar, a favor do planeta

Em Portugal, como forma de eliminar este problema mundial, existem associações que trabalham para evitar este desperdício ao longo da cadeia de abastecimento e, ainda, alimentar quem mais precisa. Fica a conhecer algumas com as quais podes fazer a diferença:

  • Re-food: “Eliminar o desperdício de alimentos e a fome, envolvendo toda comunidade numa causa comum.”
  • Zero Desperdício: “A ZERO DESPERDÍCIO da DARIACORDAR tem como principal objetivo reduzir a geração de lixo.”
  • Fruta Feia: “Este projecto visa combater uma ineficiência de mercado, criando um mercado alternativo para a fruta e hortaliças “feias” que consiga alterar padrões de consumo. Um mercado que gere valor para os agricultores e consumidores e combata tanto o desperdício alimentar como o gasto desnecessário dos recursos utilizados na sua produção.”
  • GoodAfter: “supermercado online dedicado à venda de produtos que se encontram perto do fim do prazo de consumo preferencial, ou mesmo ultrapassado esse prazo.”

APPS úteis: Eliminar o desperdício alimentar com a ajuda de um clique

Com a quantidade de informação diária e todos as tarefas do dia a dia nem sempre existe disponibilidade para pesquisar e ler conteúdos sobre os temas que queremos. Por isso, tens apps que te ajudam neste caminho:

  • Waste App: é desenvolvida pela QUERCUS e “surge com a necessidade de informar o cidadão dos destinos de vários resíduos que não podem ser colocados nos ecopontos.”.
  • Share Waste: permite encontrar pessoas perto da nossa região que tenham ou aceitem resíduos para compostagem
  • To Good To Go: “Na Too Good To Go sonhamos com um planeta sem desperdício alimentar e, todos os dias, trabalhamos arduamente para que este sonho se torne realidade. A nossa app é a forma mais directa de te envolveres: faz download, regista-te e compra comida óptima que iria ser desperdiçada em estabelecimentos ao pé de ti.”
  • Phenix: “a Phenix conecta aqueles que têm em excesso, com aqueles que não têm o suficiente. Assim, damos uma segunda vida responsável e solidária aos excedentes, e completando o ciclo!”

 

Já evitas o desperdício de alimentos em tua casa? Partilha connosco as tuas ideias.