Oferta dos portes de envio em compras iguais ou superiores a 35€!*

Espuma é sinal de limpeza?

Quando se pensa em detergentes de limpeza a característica principal que vem à memória é a espuma, mas já te questionaste o que acontece com a espuma quando vai para o sistema de esgotos? E será que a quantidade de espuma na lavagem é equivalente à remoção da sujidade? Conhece a resposta a estas questões.

A quantidade de espuma na lavagem é equivalente à remoção da sujidade?

Diariamente, produtos de higiene como sabão, detergentes e vários outros usados em casas e indústrias atingem os sistemas de esgoto. Sem o devido tratamento, acabam por alcançar os sistemas aquáticos, onde causam diversos impactos nos corpos hídricos e na vida aquática.

Constituição do sabão e do detergente

Antes de explicarmos os impactos, é preciso entender qual é a constituição do sabão e do detergente. Ambos possuem substâncias denominadas tensioativas, ou seja, diminuem a tensão formada entre dois líquidos. Assim, elementos como a água e o óleo perdem a capacidade de se manterem separados. Não é à toa que costumamos usar esses produtos para limpeza em geral.

Todos os sabões são produzidos a partir de matérias-primas biodegradáveis, óleos e gorduras que passaram por um processo de saponificação. Portanto, os sabões possuem tensioativos biodegradáveis como é o caso dos tensioativos obtidos através do processo da EcoX. Já os detergentes sintéticos podem ou não ter tensioativos biodegradáveis, pois a maior parte deles são provenientes do petróleo.

 

A espuma está associada, normalmente, a uma maior capacidade de limpeza dos detergentes, isto é, está associada ao decréscimo da tensão superficial da solução. Mas uma menor tensão superficial não está ligada diretamente com a detergência (capacidade de limpeza).

O que acontece com a espuma quando vai para o sistema de esgotos?

O excesso de espuma pode causar prejuízos para o consumidor, pois pode estragar as engrenagens das máquinas de lavar, por exemplo. O pior de tudo é que os lagos e os rios transformam-se em depósitos de espuma, o que causa problemas ambientais. Nos sistemas que dependem do oxigénio os agentes tensioativos são prejudiciais pois reduzem a tensão superficial do meio, como consequência as bolhas de ar permanecem menos tempo que o previsto em contacto com o meio. Além disso, a formação de espuma na superfície, com o movimento das águas, impede a entrada de luz nos corpos d'água - essencial para a fotossíntese dos organismos subaquáticos.

Outro dano, causado pelo sabão e detergente no meio ambiente, é a interferência nas aves aquáticas. Estas possuem um revestimento de óleo nas penas e boiam na água graças à camada de ar que fica presa debaixo delas. Quando esse revestimento é removido, as aves não conseguem boiar e afogam-se.

Na EcoX tentamos aliar sabão que é rapidamente biodegradável, proveniente do óleo alimentar usado, e tensioativos iónicos de origem vegetal de modo a aumentar o poder de limpeza dos nossos detergentes em qualquer tipo de água, ao mesmo tempo reduzindo a quantidade de espuma produzida durante a lavagem.